Conteúdo foi analisado e editado pelo diretor do Jornal de Piracicaba, Marcelo Batuíra Losso Pedroso  

 O médico, marchand e crítico de arte Umberto Silveira Cosentino deveria ser uma referência em destaque para os artistas piracicabanos, especialmente para aqueles que se interessam pelas artes plásticas. Ele que foi um dos mais importantes observadores do cenário cultural da cidade nos anos de 1970 e 1980 e o mais profundo conhecedor da produção pictórica desenvolvida em Piracicaba desde a sua fundação.   

Graças a Cosentino, muitos talentos piracicabanos, até então pouco prestigiados pela crítica especializada, ou até no anonimato, foram devidamente evidenciados à sociedade em suas análises criteriosas, históricas e tecnicamente fundamentadas. Seus artigos, publicados nos cadernos de cultura do Jornal de Piracicaba, estabelecem parâmetros para uma criteriosa classificação por estilos e definem como escola a produção figurativa predominante na cidade, que dá título ao livro. 

Clique no link abaixo:

A Escola Naturalista de Pintura de Piracicaba – 321p